Contacto WhatsApp 961135355

Universidade Lusófona do Porto

Crítica e Análise de Videojogos

Curso

Videojogos e Aplicações Multimédia (ULP)

Grau|Semestres|ECTS

Licenciatura | Semestral | 6

Ano | Tipo de unidade curricular | Lingua

1 |Obrigatório |Português

Total de horas de Trabalho | Tempo de Contacto (horas)

150 | 60

Código

ULP2533-16933

Disciplinas complementares recomendadas

Não aplicável

Modalidade de Ensino

Face-a-face

Precedências

Não

Estágio profissional

Não

Conteúdos Programáticos

- Definição de Crítica.
- Análise, Crítica, Teoria
- O Papel da Crítica na História da Arte, nos Mass Media e nos Videojogos
- O Meio Videolúdico, entre a arte e o jogo
- Significado e Retórica nos videojogos
- Correntes Estéticas nos Videojogos (videojogo enquanto forma significante, expressão, experiência estética, representação, crítica, ¿)
- Os Géneros e a Política de Autor (nos videojogos)
- Análise a Textos Críticos de Referência.

Objetivos

O aluno deve adquirir noções elementares de análise crítica das diversas dimensões formais do artefato videolúdico e ser capaz de discorrer criticamente sobre a relação dos videojogos e sua crítica com outros meios e práticas artísticas. Visa-se assim promover a capacidade de um aluno em julgar o valor de um artefacto videolúdico, considerando-se tal competência absolutamente essencial para a produção de artefactos no meio.

Deverão adquirir um conhecimento básico sobre autores de referência de crítica videolúdica, diferentes correntes de análise e valorização do meio videolúdico, e de diferentes conceções e géneros de videojogos e respetivos autores. Finalmente, entender a importância da crítica videolúdica para a legitimação artística do meio.

Conhecimentos, capacidades e competências a adquirir

No fim da UC, o aluno deve ser capaz de:
- reconhecer e distinguir o momento da análise do momento da crítica,
- analisar, intepretar e criticar videojogos na íntegra,
- analisar um videojogo em relação a um género e/ou autor,
- saber aplicar julgamentos na base de diferentes teorias estéticas,
- escrever textos e ensaios de crítica videolúdica.

Metodologias de ensino e avaliação

As aulas têm carácter teórico-prático, sendo a exposição dos conteúdos programáticos feita oralmente pelo docente com recurso ocasional à projeção de elementos audiovisuais complementares e debate com os estudantes. São realizados diversos exercícios práticos para consolidação dos conhecimentos.


- Contínua sem Prova Final - Consiste na resolução de exercícios propostos ao longo do semestre resultando numa avaliação de média final ponderada com valor total de 20 Valores.
O estudante deverá frequentar obrigatoriamente pelo menos 75% das aulas.

A avaliação divide-se nas seguintes componentes:
- participação nos debates e nas análise nas aulas (20%)
- 2 textos críticos (2*20)%
- 1 ensaio crítico (40%)
Estabelecem-se mínimos para aprovação (35%) nas 3 componentes.

Bibliografia principal

BOGOST, Ian. Unit Operations : An Approach to Videogame Criticism, The MIT Press, 2008
BOGOST, Ian. Persuasive Games, The MIT Press, 2010
MACEY, David. The Penguin Dictionary of Critical Theory (Penguin Reference Books), Penguin Books, 2002
BARRY, Peter. Beginning Theory : An Introduction to Literary and Cultural Theory, Third Edition, Manchester University Press, 2009.
GALLOWAY, Alexander R. Gaming: Essays On Algorithmic Culture (Electronic Mediations), University of Minessotta Press, 2006
TUDOR, Andrew. Teorias do Cinema. Edições 70, 2009
VENTURI, Lionello. História da Crítica de Arte. Edições 70, 2007.
BRAUDY, Leo, COHEN, Marshall (eds). Film Theory and Criticism, 7th edition, Oxford University Press, 2009.
SICART, Miguel. The Ethics of Computer Games, MIT Press, 2011
CARROL, NOEL, Philosophy of Art: A Contemporary Introduction, 1999