Contacto WhatsApp 961135355

Universidade Lusófona do Porto

Redes Sociais e Ativismo

Curso

Arte dos Media (ULP)

Grau|Semestres|ECTS

Doutoramento | Semestral | 7,5

Ano | Tipo de unidade curricular | Lingua

1 |Obrigatório |Português

Total de horas de Trabalho | Tempo de Contacto (horas)

187,8 | 45

Código

ULP1962-15361

Disciplinas complementares recomendadas

Não aplicável

Modalidade de Ensino

Face-a-face

Precedências

Não

Estágio profissional

Não

Conteúdos Programáticos

1. Para uma crítica cinética da modernidade. Da `mobilização infinita em Sloterdijk à `mobilização global em López-Petit.
2. O empowerment eufemístico do homem moderno: a proscrição do espectador pelos dispositivos normativo-institucionais e comunicacionais da modernidade.
3. Do espaço público mediatizado como produção de uma rarefação: a poluição visual de eventos e o campo de batalha do visível em Paul Virilio.
4. Anonimato e cidadania: um conflito moderno
5. O netativismo, o anonimato e as redes - decomposição analítica de casos.
6. Ativismo e educação com comunidades
7. Introdução à investigação-ação
8. Literacia cívico-mediática (estudos de caso com jovens e idosos: a comunicação e a participação)
9. Educomunicação
10. Photovoice
11. Comunidades de prática

Objetivos

Trata-se de uma unidade curricular na qual se pretende estudar o modo como as ligações tecnicamente mediadas (e as consequentes desligações), estão a abrir possibilidades ou, mesmo, a configurar modos e modelos eventualmente novos e/ou alternativos de ação, cuja caracterização e descrição teóricas a colocam à margem dos sistemas normativo-institucionais e comunicacionais da modernidade.

Conhecimentos, capacidades e competências a adquirir

Os ativismos e os chamados netativismos serão, assim, estudados a partir das suas possibilidades políticas mas também como manifestações visíveis dos processos de inovação social e cultural em curso, concomitantes (e, em muitos casos, conflituantes) com os processos de globalização.

Metodologias de ensino e avaliação

As metodologias de ensino serão, essencialmente, expositivas, visando estimular o debate e a leitura crítica dos trabalhos e dos autores de referência. Pretende-se que os estudantes ganhem autonomia de produção reflexiva e capacidade de análise. A avaliação da unidade será feita através da elaboração individual de um ensaio ou artigo de investigação e/ou desenvolvimento dos conceitos apresentados na unidade,
preferencialmente aplicado ao desenvolvimento futuro de um projeto de investigação, que constituirá o elemento de avaliação final.

Bibliografia principal

Agamben, G. (1990), A Comunidade Que Vem, Lisboa: Editorial Presença. 1993

Arendt, H. (1957), A Condição Humana, Lisboa: Relógio d¿Água. 2001

Buckingham, David (2003). Media Education: Literacy, Learning and Contemporary Culture, Cambridge, Polity Press.

Cammarota, J., & Fine, M. (Eds.) (2008). Revolutionizing education: Youth participatory action research in motion, Nova Iorque, Routledge.

Felice, M. di (2012), Paisagens Pós-Urbanas ¿ O Fim da Experiência Urbana e as Formas Comunicativas do Habitar

Lopez-Petit, S. (2009), A Mobilização Global seguida de O Estado-Guerra, Porto: Deriva Editores. 2011

Loureiro, L. M. (2011), O Ecrã da Identificação. Tese de doutoramento em Ciências da Comunicação. Braga: Universidade do Minho (disponível online no RepositoriUM)

Sloterdijk, P. (1989), A Mobilização Infinita ¿ Para Uma Crítica da Cinética Política. Lisboa: Relógio d¿Água. 2004

Virilio, Paul (1994), The Vision Machine, Bloomington: Indiana University Press. 1994