Contacto WhatsApp 961135355

Universidade Lusófona do Porto

O poema solitário, interrupção do comum

A decorrer no âmbito do Ciclo de Conferências - Do Comum

Conferência

Data

Teatro Rivoli

16 Abril 2019

A decorrer no âmbito do Ciclo de Conferências - Do Comum

Resumo

Em "O Meridiano", um dos textos poetológicos mais importantes do século XX, Paul Celan formula uma concepção do poema como "contra-palavra" , isto é, como uma palavra "que não se curva diante dos cavalos de parada nem dos pilares da História". Esta noção da palavra poética como interrupção do curso da história e desarticulação sintáctica corresponde a um pensamento do poema que não é apenas de ordem estético-literária, tem também uma significação política de largo alcance.

António Guerreiro dá aulas, como convidado, na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa e é editor da revistaElectra, publicada pela Fundação EDP. Como ensaísta, é autor de O Acento Agudo Presente (Cotovia, 2000) e O Demónio das Imagens (2018). Cronista e crítico literário no jornal Público, tem colaboração dispersa em revistas especializadas de literatura, cultura e arte.