Contacto WhatsApp 961135355

Universidade Lusófona do Porto

Espaço Público, Marcas e Visualidade no Porto

VI Ciclo de Conferências ULP/Rivoli.

Ciclo de Conferências

Data

-

Teatro Rivoli

Manuel Bogalheiro
manuel.bogalheiro@ulp.pt

22 Novembro 2022

Partindo de uma perspetiva dos espaços urbanos, e da própria cidade, como policentrados e polifónicos, dada a pluralidade originária da polis, procuramos pensar e analisar marcas de inscrição no espaço público da cidade do Porto, por diferentes atores, que configuram expressões visuais diversas e que corresponderão a modalidades de subjetivação - de viver e se apropriar da cidade -, de ação política e de estetização do espaço público.

Reconhecidas geralmente no âmbito da dita arte urbana, compreendemos estas marcas enquanto codificações de sentido introduzidas no espaço público que não estavam previstas ou que, na maior parte dos casos, não foram objeto de um planeamento institucional e que - por essa vocação para escaparem a uma certa ideia de controlo - se podem transformar em processos de novas experimentações (políticas, lúdicas, estéticas) da vivência quotidiana (lógicas de atenção do visível, representações do trabalho, modalidades de consumo, políticas urbanas relativas à habitação ou ao turismo, entre outras).

A conferência terá como ponto de partida um trabalho de recolha fotográfica destas marcas inscritas na cidade do Porto, recolha que foi compilada e estudada, visual e analiticamente, no livro "Expressões Visuais Disruptivas no Espaço Público" (CICANT/Edições Lusófona, 2021).


Oradores

Isabel Babo é agregada em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho e doutorada em Sociologia pela École des Hautes Études em Sciences Sociales, de Paris. É investigadora do CICANT, professora catedrática e diretora do curso de doutoramento em Comunicação e Ativismos da Universidade Lusófona. As suas áreas de especialização são a sociologia da comunicação e do acontecimento, as teorias do espaço público, os públicos e o ativismo em rede. É autora de livros, a saber Especatadores e Públicos Activos (2015) e A configuração de acontecimentos públicos. O caso República e as manifestações nos Açores em 1975 (2006), capítulos de livros e artigos.

Manuel Bogalheiro é professor na Universidade Lusófona e professor convidado na Universidade Nova de Lisboa. É doutorado em Ciências da Comunicação - Cultura Contemporânea e Novas Tecnologias (FCSH-UNL), tendo sido bolseiro da FCT. É investigador do CICANT e da Secção de Filosofia da Comunicação da ECREA. É director do Mestrado em Comunicação, Redes e Tecnologias. Editou e coordenou os volumes Crítica das Mediações Totais - Perspectivas Expandidas dos Media (Documenta, 2021), Expressões Visuais Disruptivas no Espaço Público (Edições Lusófonas (CICANT, 2021), com Isabel Babo e João Sousa Cardoso e Evaluation of Design-Driven Research (2022) com Edite Rosa.

João Sousa Cardoso é doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Paris Descartes (Sorbonne). Encenou Sequências Narrativas Completas, estreado no Teatro Nacional D. Maria II, e Os Pescadores, de Raul Brandão, estreado no Teatro Municipal do Porto em 2016. Dirigiu o projeto TEATRO EXPANDIDO! no ano de reabertura do Teatro Municipal do Porto, entre janeiro e dezembro de 2015. Criou ainda os espetáculos O Bobo (2006), A Carbonária (2008), Raso como o Chão (2012) e Barulheira (2015). Realizou os filmes A Ronda da Noite (2013), Baal (2013) ou Na Selva das Cidades (2016). É professor na Universidade Lusófona. Escreve regularmente para o jornal Público.