Contacto WhatsApp 961135355

Universidade Lusófona do Porto

Corpo, fisicalidade, (in)visibilidade

A performance na obra de Ção Pestana

Conferência

Data

Sala dos Atos

José Maia
manuelsantosmaia@gmail.com

25 Fevereiro 2019

Ção Pestana por Raquel Guerra

A obra de Ção Pestana desenvolve-se num período compreendido entre finais da década de setenta e a atualidade.

Esta assume-se, numa perspetiva conceptual e formal, abrangente e intermedia, tanto no trabalho realizado em grupo como no trabalho realizado individualmente. A artista tem vindo a desenvolver um projeto artístico onde questiona a perceção a denúncia do corpo público/corpo político, as relações de poder, a marginalização e a possibilidade da sua representação, mais do que direcionar a sua pesquisa para questões exclusivamente formais ou visuais, interessa-lhe concretizar obras que remetam para um leque variado de experiências e sensações. (Raquel Guerra)

Oradores

Assunção Pestana (Artista, professora e investigadora)

Assunção Pestana nasceu no Funchal, em 1953. Artista visual e professora universitária. Possui bacharelato em Cine-Vídeo (1986), licenciatura em Arte, Arqueologia e Restauro/DESE (1990), mestrado em História Ibero Americana (1996), doutoramento em Didática e Organização Educativa (2011). Na qualidade de investigadora na área artística tem participado, como palestrante, em diferentes congressos e publicado em atas/artigos nos domínios da das Artes Visuais, TICS e Educação Artística. Em 1975/1978, Ção Pestana inicia a sua intervenção pública e artística no CAPC e no Coletivo GICAPC/CAPC. Em 1979, com a exposição "Anéis de Vénus", no CAPC, inicia o se percurso artístico individual. Com Wolf Vostell mantém uma ligação de trabalho duradoura: participa e coopera em diferentes eventos do Museu Vostell, realizando vários trabalhos no domínio da performance, dos quais se destacam: "Como Tu Boca" (1979)/"Comidas Portuguesas"(1979). Foi membro do grupo Inter-Criatividades, CAPC, entre 1979-80. Foi membro do "VídeoPorto", grupo de videastas no Porto. Ganha o prémio de videoarte portuguesa da Fundação Calouste Gulbenkian, em 1986, com a obra "Alternâncias". Bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian, em 1987, em Madrid. Realiza varias exposições individuais, das quais destacamos "Anéis de Vénus", CAPC, "Vénus/Ção", CAPC, "Ária II", Galeria Árvore e "Refuseds", Fábrica Social - Fundação José Rodrigues, e participa em exposições coletivas: "Artistas Portugueses de Hoje", Museu de Arte Moderna de S.Paulo, Brasil, "50 Anos de Arte Portuguesa", Museu Calouste Gulbenkian, "Uma questão de Género", Edifício Axa, Porto, "30 Anos da Bienal de Vila Nova de Cerveira, Exposição dos Artistas Premiados", "Line Up. As Esposas da Arte", Conferencia - Performance, CAPC, "Horizonte Móvel-Uma Perspectiva sobre as Artes Plásticas na Madeira 1960-2008", Museu de Arte Contemporânea do Funchal, "Experiência da Forma II", Museu de Arte Contemporânea do Funchal, "Espacio P. 1981-1997", Centro de Arte Dos de Mayo, Madrid (2017), LABoral Centro de Arte, Gijón (2018) e TEA - Tenerife Espacio de las Artes, Ilhas Canárias (2018). Participa em várias edições da Bienal de Vila Nova de Cerveira.

Raquel Guerra (Moderada: curadora e investigadora)

Nasceu no Porto em 1976. Formação em História (UPT) e pós-graduação em Estudos Museológicos e Curatoriais (FBAUP). Atualmente a realizar doutoramento em Arte Contemporânea (Colégio das Artes, UC). Curadora e investigadora. Como investigadora participou nos projetos Anamnese_Plataforma Digital sobre Arte Contemporânea de/em Portugal entre 1993 e 2003 (Fundação Ilídio Pinho, Porto) e IDAP S20_Interface Digital da Arte Portuguesa do Século XX (Universidade Católica Portuguesa Porto). Bolseira em 2011 da Fundação Calouste Gulbenkian para realização de residência curatorial no Brasil (Rio de Janeiro e São Paulo)_Residência Capacete. Lecionou na pós-graduação em Fotografia, Projeto e Arte Contemporânea do IPA, Lisboa. Tem-se dedicado à gestão de coleções de arte contemporânea: Coleção Marín.Gaspar, Coleção Norlinda e José Lima e Coleção Treger/Saint Silvestre. Diretora do Núcleo de Arte da Oliva Creative Factory, S. João da Madeira, entre 2014 e 2017. Diretora do Centro de Arte de S. João da Madeira entre 2015 e 2017. Escreve regularmente para catálogos e publicações de Arte.