Contacto WhatsApp 961135355

Universidade Lusófona do Porto

Acontecimentos públicos e emoções coletivas

Conferência integrada no IV Ciclo Anual de Conferências ULP/Rivoli.

Conferência

Data

Teatro Rivoli

Manuel Bogalheiro
manuel.bogalheiro@gmail.com

16 Novembro 2021

Resumo
Muitos dos acontecimentos que nos afetam não são vividos diretamente por nós. São-nos relatados, apresentados (em textos, discursos, imagens) e comentados pelos media. E, no entanto, tais acontecimentos tocam-nos, assim como despertam emoções em certa medida semelhantes no público dos media. Estas emoções podem provocar comportamentos individuais e ações coletivas de vários tipos. Como explicar, por um lado, o poder emocional de certos acontecimentos públicos e, por outro, a convergência das reações emocionais suscitadas, quando não há encontro cara a cara? De que natureza são essas emoções coletivas? Para responder a essas perguntas, apoiar-me-ei, em parte, no trabalho de Gérôme Truc (cuja tese de doutoramento co-orientei) sobre as reações aos atentados terroristas e, eventualmente, sobre outros casos. Também discutirei o argumento segundo o qual, nas nossas sociedades atuais, a receção dos acontecimentos é cada vez mais exclusivamente emocional.

Orador
Louis Quéré (1947) é um sociólogo francês, diretor emérito de pesquisa do CNRS - Centro Nacional de Pesquisa Científica e ex-diretor do Instituto Marcel Mauss (EHESS-CNRS). A sua investigação centra-se principalmente na sociologia da ação, na epistemologia das ciências sociais ou na etnometodologia. A sua abordagem inscreve-se no legado do pensamento de Jürgen Habermas, da hermenêutica de Hans-Georg Gadamer ou do pragmatismo de John Dewey e George Herbert Mead.