Universidade Lusófona do Porto

Reportagem - Comunicar vs Informar

"É comum afirmar-se que o ser humano vê na linguagem o elemento principal da comunicação (...)"



A comunicação é algo que é comum a todos e por ser algo tão natural e voluntário esquecemo-nos da sua existência e nem tentamos perceber como funciona, é, então "por essa razão que é importante falar de comunicação", disse o Doutor Paulo Machado, especialista em comunicação, marketing, vendas e principal orador da aula aberta do dia 27 de novembro que contrapõe Informar com Comunicar, tendo como audiência a Escola Profissional de turismo da Campanhã.

Estando lá para falar de Comunicação, não seria de esperar uma atitude que não fosse de boa disposição pois como este vem a explicar ao longo da sessão ser bem-disposto é estar disposto a comunicar, estar disposto a receber as mensagens que as pessoas nos enviam.

O ser humano comunica através de 3 bases: 7% através das palavras (conteúdo), 38% através do tom (a forma como expõe o conteúdo) e 55% através do corpo (comunicação não verbal). É, então possível concluir que a comunicação é um jogo de observação.

Machado evidencia alguns pontos crucias para ser estabelecida uma comunicação eficaz, como por exemplo mostrar convicção no que se diz, sermos nós próprios, conhecer as ferramentas do corpo, estar sempre bem preparado, questionar, partilhar o sucesso, definir níveis de aspiração e ser criativo.

Toda a sessão é uma constante interação entre o orador e audiência. São feitos alguns jogos que provam alguns pontos essenciais, como o caso de a comunicação ser um jogo de observação e se identificar com "convergir", pois "a verdadeira comunicação é a resposta que recebemos".

É comum afirmar-se que o ser humano vê na linguagem o elemento principal da comunicação, mas já foi provado que o corpo é o que mais comunica. É, neste segmento exposto o chamado DISC perfile, que é encarado como 4 idiomas comportamentais (Dominance, Influence, Steadiness e Conscientiousness). É usado por mais de 1 milhão de pessoas todos os anos com o intuito de melhorar a produtividade do trabalho, trabalho de equipa e comunicação. No fundo, é crucial que se aprenda a "falar" um pouco de todos estes idiomas, pois só assim a comunicação entre os indivíduos seria quase utópica.

A aula aberta chega ao fim com a seguinte expressão do orador: "Quem não é bom ouvinte, nunca será bom palestrante", isto é, quem não é bom a receber as mensagens dos demais, nunca será bom a envia-las. A seguinte expressão de forma concisa resume a palestra do Doutor Paulo Machado.