Universidade Lusófona do Porto

Segurança de Eventos: o caso do Red Bull Air Race 2017

Reportagem sobre o evento "Segurança de Eventos: o caso do Red Bull Air Race 2017."



Os grandes eventos são cada vez mais importantes para a promoção da imagem dos destinos, como momentos de atração de grande número de turistas e visitantes. A segurança em si e, desde logo, a perceção da segurança por parte de quem neles participa são elementos de imagem marcantes.

Durante os recentes dias 2 e 3 de setembro, as margens do Porto e de Vila Nova de Gaia voltaram a receber um dos eventos que reúne maior número de participantes em Portugal - O Red Bull Air Race.

A Faculdade de Ciências Económicas, Sociais e da Empresa (FCESE) da Universidade Lusófona do Porto é a unidade orgânica com competência científica e pedagógica para ministrar formação académica e profissional nos vários domínios em que se desenvolvem as ciências económicas e empresariais, oferecendo, assim, licenciaturas em Gestão, Turismo e Gestão de Empresas Turísticas, Gestão e Desenvolvimento de Recursos Humanos e Serviço Social, inclusivamente mestrados e pós-graduações.

A Faculdade de Ciências Naturais, Engenharias Tecnologias (FCNET) segue uma política sustentada de qualidade no ensino, investigação e prestação de serviços à comunidade, como meio para alcançar a excelência e o reconhecimento nacional e internacional em vários domínios das Ciências, das Engenharias e das Tecnologias, sendo que organiza regularmente conferências científicas, encontros técnicos, palestras e debates em várias áreas, empenhando-se na integração e participação dos seus estudantes nas mesmas.

No rescaldo daquele que foi o maior evento desportivo e turístico de 2017, a FCESE e a FCNET trazem à Universidade Lusófona do Porto e à Cidade do Porto alguns dos seus principais obreiros e responsáveis, com o fim de refletir especialmente sobre a componente segurança na organização deste tipo de acontecimentos. Apesar deste serem os cursos base para estas organização, é notável a afluência da comunidade académica e geral visto que, e sob a perspetiva da professora Isabel Marques, "este é um tema que atrai a curiosidade de todos, nem que seja só pelo nome".

No Salão Nobre, sala principal para a receção de conferências, o pouco para tanta curiosidade. É importante lembrar que a sala que está imediatamente ao lado, assim ficou, igualmente repleta. Visitaram, nesta quinta-feira dia 16, a Universidade Lusófona do Porto inúmeros escalões da vida económica, politica e social, nas mais variadas idades.

Isabel Marques, responsável da faculdade de ciências económicas, sociais e da empresa da ULP - iniciou, como moderadora esta manhã de conferencia. Ao seu lado, os vereadores da camara do porto e de gaia.

A manhã iniciou-se com uma reflexão da importância que este tipo de eventos tem para a região norte, que está, neste momento, num contexto de progresso e competição com a que até aos últimos tempos, tem sido o centro da atenção de Portugal. Está claro, que falava-se de Lisboa.

Para não fugir ao tema, o vereador da câmara de gaia, considera que o mais difícil é sempre o começo e, no caso do redbull Air Race, não é diferente: "o evento mais difícil foi em 2007, é o primeiro (...) é tudo novo", contudo, devido ao seu sucesso indiscutível não havia outra resposta senão: "porque se repete" Foi um êxito¿.

No que respeita aos pilotos visitantes, esta claro que a população portuense é, claramente, um fator de atração. "Por isso quando se fala em vir ao porto, eles gostam (...) eles deliram com a envolvente humana e como qualquer espetáculo, gostam de ter público entusiasta." Em relação ao retorno, não se fala de números concretos, mas ideia de investimento seguro está presente. "A restauração beneficiou em muito: às 15 horas os restaurantes estavam cheios, às 16 estavam cheios, às 17 cheios (...)"

O desafio é a sustentabilidade foi uma questão abordado pelo vereador do Porto: "(...) conseguir o fluxo do turismo e manter as pessoas que são e vivem no porto, felizes", acentuando que há uma linha ténue entre o desenvolvimento e o excesso: "somos alguém que procura facilitar para que esse desenvolvimento do turismo apareça (...) Lutando as vezes contra o excesso". Sendo crucial um estudo prévio da situação em que são expostos este tipo de eventos: " Temos de estudar o publico alvo, o porto é uma cidade jovem, o porto é um polo enorme de talento (...) por isto faz todo o sentido trazer ao Porto, estes eventos".

Já em forma de passagem de testemunho a ideia que ficou assente antes do coffe break foi, "O caso do redbull é um sucesso pela colaboração de todas as identidades: psp, proteção civil, policia marítima, entre tantas outras identidades"

Artur Costa, responsável pela faculdade de ciências naturais , engenharias e tecnologias - ficou responsável da moderação e apresentação do segundo lote de convidados.

Partindo agora de uma ideia do que é feito e a população comum está alienada disso. Representantes das forças de seguranças publica, como a proteção civil, a psp e os bombeiros estiveram presentes e focaram a apresentação naqueles que são os planos de segurança, contenção da população e controlo das ameaças.

"É impostíssimo envolver todas as pessoas disponíveis para este tipo de eventos", esta foi a ideia base da segunda parte da conferencia e sobre ela foram discutidas as várias facetas de um espetáculo de massas, pode ter. A segurança, é uma das marcas que distingue o nosso país, até então. Artur Costa, numa ultima intervenção acentua que "felizmente temos essa marca que os eventos conseguem: é necessário alimentar, é preciso alimentar a segurança e assim, aumentar todos os setores da economia no nosso país".